“A Rio Oil & Gas sempre foi uma oportunidade de se firmar como player neste importante mercado”, afirma Plant Manager da Flowserve

17/06/2020
Tiago Pinto, Plant Manager da Flowserve

O cenário atual da indústria de óleo e gás, impactado tanto pela crise de oferta e demanda quanto pela pandemia do novo coronavírus, tem obrigado as empresas do setor a revisitarem seus projetos de curto e médio prazo. Uma dessas companhias é a Flowserve, com quase 80 anos no mercado brasileiro.

Confira, a seguir, a entrevista com Tiago Pinto, Plant Manager da multinacional americana, que também é expositora da Rio Oil & Gas, sobre o papel do evento em um cenário de retomada e planos da empresa para o Brasil.

1- Como você acha que a atual crise por que passa a indústria de O&G vai impactar as empresas de serviços que atuam diretamente com tecnologia?

É importante avaliar a crise sob o aspecto do mercado internacional do petróleo e sob o aspecto da pandemia de forma separada. No que diz respeito ao atual cenário internacional do petróleo, o valor da commodity relacionado a discussões geopolíticas dos maiores produtores globais afetaram o mercado, porém é algo que irá se reestabelecer talvez não em curto, mas em médio prazo, o que acabou colocando alguns projetos de produção e exploração globais suspensos até o mercado se reequilibrar novamente.

A pandemia é algo, a meu ver, muito mais severo, pois demanda toda uma preocupação quanto a aspectos de saúde, e, de forma a mitigar o contágio, se faz necessário o isolamento quase que total de populações em todo o mundo. Isso fez com que diversos segmentos de mercado fossem completamente paralisados, causando pouca movimentação de pessoal, reduzindo enormemente a demanda por combustíveis, seja para uso industrial, veículos de transporte terrestre e aéreos. Tal impacto no segmento demandará mais tempo para completa recuperação, o que acaba obrigando empresas a buscarem redução de suas despesas e, consequentemente, redução dos quadros de funcionários, coisa que nós, da Flowserve, estamos nos empenhando ao máximo para evitar.

2- Qual a importância para a Flowserve de expor na Rio Oil & Gas?

A Rio Oil & Gas sempre foi uma oportunidade de divulgar novas tecnologias, encontrar parceiros de negócios e se firmar como player neste importante mercado, do qual a Flowserve, desde sua origem – ainda como Worthington -, tem orgulho de participar em suas quase 8 décadas de atuação no Brasil.

3- Que papel você acha que o evento tem, especialmente em um cenário de retomada do setor?

Em primeiro lugar, é importante a organização do evento buscar uma agenda que melhor atenda aos protocolos diante da pandemia, cujo período deve ser bem avaliado para que a maior concentração de pessoas do segmento possa participar, garantindo, assim, sucesso de participações e com segurança. Diante disso, o evento terá papel importante para demonstrar ao mercado os players que permanecem atuando no Brasil, e com quais novidades poderão atender toda a cadeia visando, cada vez mais, à melhora no controle de seus processos e ao aumento de suas capacidades produtivas, com menor impacto no ambiente.

4- Como uma multinacional prestadora de serviços como vocês enxerga o Brasil no curto e médio prazo? Vocês têm planos para o país?

Como fabricante de bombas centrífugas instalados no Brasil desde 1941, temos uma base local que demanda fornecimento de peças e serviços, ainda que em momento de crise. Com base nesta presença de mercado, nos reinventamos para melhor atender os nossos clientes, e desta forma que estamos projetando o cenário a curto prazo, no qual não visualizamos grandes investimentos em novos projetos. Já a médio prazo, enxergamos a retomada nos investimentos em produção e exploração, além de obras de infraestrutura vitais para o desenvolvimento do país.

Os planos para o país hoje passam por integrações dentro do próprio grupo Flowserve, visando a uma padronização dos processos e à melhor forma de nos comunicar com clientes e fornecedores. Nos últimos 7 anos, a empresa passou por grandes investimentos incluindo a construção de uma nova fábrica de bombas centrífugas com alta tecnologia para testes de performance e funcionamento mecânico, atendendo aos mais rigorosos critérios do mercado. Continuamos acreditando no enorme potencial de nosso país, porém, neste momento, precisamos ter de volta o equilíbrio da situação da saúde, da economia e da política.

Compartilhe

Veja também