Inovação garante a sustentabilidade na indústria de óleo e gás, dizem especialistas em evento do IBP | Rio Oil and Gas 2022

Inovação garante a sustentabilidade na indústria de óleo e gás, dizem especialistas em evento do IBP

08/06/2022

Indústria investe em tecnologias, pesquisa e desenvolvimento para reduzir as emissões e ainda garantir segurança do abastecimento

A transição energética vai ser financiada pela indústria de óleo e gás, de acordo com o vice-presidente de Inovação e Novos Negócios da Ocyan, Rodrigo Mendes. A opinião do executivo é que, para isso, o setor deve investir numa produção sustentável, com baixa emissão de gases de efeito estufa.

“O investimento em pesquisa e desenvolvimento (P&D), em tecnologia e inovações é fundamental para que isso aconteça”, disse Mendes, durante o evento ‘Diálogos da Rio Oil & Gas – o futuro da indústria (Inovação e Tecnologia)‘, promovido pelo Instituto de Petróleo e Gás (IBP) em parceria com a agência de notícias Epbr, na última quinta-feira (2/6).

Diretora-executiva Corporativa do IBP e moderadora do evento, Fernanda Delgado ressaltou que o petróleo brasileiro possui a característica de ser menos carbonizado e, por isso, tem seu lugar garantido no mercado mundial.

“Um futuro descarbonizado, na verdade, não é um futuro sem hidrocarbonetos. Isso tem que ficar cada vez mais claro. Essa crise energética que o mundo vem passando, desde antes da guerra na Ucrânia, já demonstrou que quanto mais plural for a matriz energética de todos os países melhor”, destacou Delgado.

Já o vice-presidente global de Subsea Products & Project Engineering da Aker Solutions, Reinaldo Mendes, argumentou que as empresas de maior porte ocupam papel de destaque no desenvolvimento de uma indústria de óleo e gás mais sustentável.

“Todas as empresas que estão no topo da cadeia são responsáveis por começar a disseminar os compromissos de sustentabilidade. Assim, os fornecedores têm que ir junto. Dessa forma, conseguiremos que toda cadeia se alinhe aos critérios ESG (meio ambiente, social e governança, na sigla em inglês)”, disse o executivo da Aker.

Ele acrescentou ainda que, diante das restrições de recurso, uma das soluções para a indústria petrolífera vencer esse entrave é por meio da formação de parcerias, inclusive entre companhias concorrentes. Em sua opinião, as parcerias podem completar lacunas e mitigar riscos.

Outro desafio da indústria de óleo e gás no atual cenário, além das limitações de financiamento, é o fato de os projetos de P&D do setor demandarem investimentos e tempo de maturação maior do que o da média da indústria. De acordo com Mendes, da Ocyan, isso dificulta a atração de empreendedores e startups.

Os participantes do ‘Diálogos da Rio Oil & Gas’ concordaram que é preciso atrair talentos para a área de óleo e gás para que seja possível fazer a transição de forma segura. Delgado salientou ainda que a participação de startups no setor é fundamental para transformar o modelo mental dos tomadores de decisão. “A gente precisa buscar respostas nas composições mais diversas e as startups combinam com isso”, afirmou.

Compartilhe